Mostrando postagens com marcador Poesia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Poesia. Mostrar todas as postagens

21 de out de 2015


Sarah Jaffe - Better than Nothing

Um poema de julho de 2003:

'Eu'

Eu aqui

Inconsciente
Enlouquecida
Apenas triste

Ele lá
Amanhecido
Alegre
Apenas vivo

Eu aqui
Sofrendo
Depressiva
Apenas morta. 

16 de set de 2015


O poema de hoje é sobre cutting ou automutilação no corpo (20/07/2003)

Definição: comportamento intencional envolvendo agressão direta ao próprio corpo sem intenção consciente de suicídio. Os atos geralmente tem como intenção o alívio de dores emocionais e em grande parte dos casos, estão associados ao Transtorno de Personalidade Bordeline. As formas mais frequentes de automutilação são cortar a própria pele, bater em si mesmo, arranhar-se ou queimar-se. A automutilação é comum entre os jovens e adolescentes que sofrem pressão psicológica. 

"Cortes + Cortes e + Cortes Baby"

Baby desculpe os momentos tristes.

Baby desculpe os momentos felizes.

Baby desculpe o meu carinho por você.

Baby desculpe o meu amor por você.

Baby desculpe se machuquei você.

Baby desculpe por gostar de você.

Baby desculpe por amar você.

Baby desculpe se fui precipitada demais, dizendo alguma coisa que não tenha gostado.

Baby desculpe pelos cortes + cortes e + cortes baby.

Quando escrevi este poema estava ouvindo Tori Amos - Siren



Fer... Domingo, 20/07/03 Curtindo Tori Amos - Siren 

14 de set de 2015

Um poema bem diferente dos demais, 2002:

Canibalismo

Desejo resguardá-lo em meu colo.
 
Desejo ser livre em seu colo.
 
Desejo-te em meu colo.
 
Desejo doces em seu colo.
 
Desejo ser uma Dama.
 
Desejo que seja o meu Lord.
 
Desejo devorar a sua língua: vibrando sons roucos e socorros.
 
Desejo devorar suas pernas e seus cabelos.
 
Desejo devorá-lo inteiro. Mas, só deixaria a língua vibrando. Me chamando, para devorá-lo novamente.
 
Um índio ocupa o trono da tela “O inferno”, autoria desconhecida.
[Um índio ocupa o trono da tela “O inferno”, autoria desconhecida.]

10 de set de 2015

Um poema de 2014: 

Stasia Burrington

Vida

Não estou preparada para que me deixes só.

Não se afaste de mim.

Você me cura, me conforta e me faz viver.

Quando estou ao seu lado esqueço-me de todos os problemas.

De alguma forma sinto que você:

Me entende.
Me completa.
Me ajuda.

Além de despertar sentimentos inacreditavelmente ternos em mim..

25 de ago de 2015




Björk
[Björk]
 
Gueixa

Tu canta?
Tu chora?
Tu grita?

Tu Cantas para mim.
Tu Choras por mim.
Tu Gritas para mim.

Por quem tu cantas?
Por quem tu choras?
Por quem tu gritas?

Por mim.

24 de ago de 2015

O título do poema originou-se através de uma música do cantor Marilyn Manson:


 
"The Dope Show"

Em uma trágica festa emocionante.
 
Violetas brancas, róseas bêbadas o beijam.
 
Sentindo a dor / Uivando, à noite.
 
Mas muitas vezes, quando a noite avança.
 
Veem alucinações dentro da noite má.
 
Julgavam ouvir monótonas corujas.
 
Somente a elipse e a arte esculpem mágoas humanas.
 
Chorando e rindo na ironia infausta.
 
Provo o perfume, sem os métodos da abstrusa ciência fria.
 
Na ânsia de um nervosíssimo entusiasmo.
 
Violetas executam a dor de todas essas vidas.

22 de ago de 2015

Um outro poema de 2002:



XXX = YYY

Se XXX é = a YYY?

Porque XXX não pode ser YYY?

XXX é você e YYY sou eu?

Você acredita que XXX pode ser você?

Porque o nosso amor tem que ser XXX?

Sinto que o nosso amor é YYY?

XXX é a minha vida..

E espero que YYY seja a nossa..

19 de ago de 2015

Minha primeira poesia escrevi em 2002: 

"Bem Me Que /Mau Me Quer"

Ninguém entende/Ninguém vê
Sou uma planta/Diria que um Girassol
Girassol de grandes discos florais amarelos

Bem Me Quer /Mau Me Quer

Cada discos florais seria uma parte de mim/Se esses discos caíssem/
Ninguém iria vê-los ou mesmo tocá-los/Se eu pudesse fazer com que esses discos parassem de cair, talvez o Universo não seria depressivo
Espero que alguém me entenda/Alguém me vê
Girassóis depressivos, solitários, eternos Girassóis..

Bem Me Quer /Mau Me Quer

Não consigo enterrar o meu Passado/Vivo de Girassóis ao meu lado
Quero abraçar o meu passado morto, dizer adeus aos sonhos perdidos/Estou 
disposta à um cálice de néctar...
Tenho Necrofobia/Sou um Girassol Necrofóbico
Preciso de ajuda, para crescer, ser um Girassol grande/Sem medo dos outros Girassóis..

Bem Me Quer /Mau Me Quer

Sofro todos os dias, todos os meses o ano todo seria o certo/Porque sofro?/Por quem Sofro?
Ninguém sabe/Ninguém entende/Ninguém sente o sofrimento como eu sinto..
Será que um dia passará alguém e esse alguém me entenderá?
Torço para esse dia não seja tarde demais!

Bem Me Quer/Mau Me Quer

[Bem Me Quer / Mau Me Quer]

18 de ago de 2015

Ao som de Angus & Julia Stone - "Big Jet Plane" 


Leve-me para um passeio em um grande avião à jato.

Olá!

Oi!

Sou o seu doce girassol!

Prazer em conhecê-lo..

Doce girassol.

Doce sorriso.

Vem abraçar-me.

E levar esta dor para bem longe..

Não consigo respirar, não consigo dormir, não consigo sair..

Leve-me com você!

Desejo florir ao seu lado em Toscana.

Doce girassol.

Doce sorriso.

Leve-me contigo!

Eu sou o seu sol.

E você o meu sol.

Doce girassol..

11 de ago de 2015


Um simples 11 de agosto

(36 anos hoje!)

Angústia que me completa 
Alma que me alerta 
Mal que sinto 
Crises vem vindo
Sem explicação
Sem noção 
Sem razão 
Sem direção 
Sou o fundo do poço humano 
As migalhas do mundo
A morte profana 
A loucura insana 
A felicidade não existirá 
Nem procure, ela vai acabar 
Procuro e não persisto 
Para que essa crendice, se nem sei se existo? 
Vou vencer a depressão 
Vou seguir pela frente
Sorridente, contente 
Uma simplória ilusão!

Fatos para chorar 
Vida mal entendida 
Mundo como fim de tudo 
Uma simples despedida 
Porque as mudanças são constantes? 
Porque vivo? 
Desvendarei esses mistérios professantes 
Simplesmente não consigo 
Quero viver, quero morrer 
Quero nascer, quero sofrer 
Quero sorrir, quero sentir 
Quero vibrar, vou dormir 
Sono profundo 
Me livre deste mundo 
Me leve ao céu 
Mãe, me cobre com teu véu! 
Vida nova a surgir 
Irei reconstruir?
Quem saiba apagando? 
Quem saiba amando? 
Necessito falar com alguém 
Necessito chorar 
Tenho que desabafar 
Mas não há ninguém 
Reprimo meu choro 
Viaja minha mente
Quero este eterno gozo
Pela vida eternamente
Estou na prisão 
No meu "eu" há um cão
Late inconscientemente 
No meu peito ardentemente 
Prisão da depressão 
Prisão do amor 
Prisão da alusão 
Prisão do horror
Se aparecer alguém
Eu escondo tudo
Só entenderá um ninguém
Os meus pensamentos estúpidos
Não me faça perguntas absurdas
Não tenho respostas para você
Saia, não insista, minhas respostas simplórias 
Poderão ser a você uma glória
Me deixe chorar
Não me pergunte! 
Me deixe sozinha 
Nesta faca de 1.000 gumes
Mundo colaborando com minha tristeza 
Pelo menos é o que eu vejo 
Liberte os meus desejos 
Deixe os em eterna proeza 
Mal do século, Byronismo
Morbidez, escapismo 
Fuja de mim animal! Nesta suja poesia de hospital
Um momento em que vivo 
Apenas me balanço com este pico 
Byron meu irmão 
Rousseau, seja meu cão! 
Nem toque este violão 
Solte essas cordas amigão 
Dentro deles há idealização 
E nunca uma salvação 
Nunca Nirvana 
Nunca Oasis 
Essas bandas produzirão 
Um choro sem exceção
"Wonderwall" "Rape Me"
"Under the Bridge" "The Man who Sold the World" 
Me tire dessas profundezas, minha eterna tristeza! 
Passa tristeza 
Passa pensamentos 
Faça me voar em levezas
Em lugares que não há lamento 
Vejo a vida passar 
Avisto o mundo acabar 
Vivo num profundo sofrer 
Acho que vou morrer 
Não, não chore 
Estude, não, escreva 
Morra, morra, transcreva! 
Viva nesta vida passageira.
Serás que não entende? 
Sou uma simples adolescente 
Que escreve inconscientemente 
Estas palavras acabadas 
Nessas linhas imaginárias
E simplesmente para o nada 
Com um tremendo desgosto 
Eu termino aqui 
E sei que irá persistir
O meu simples e incansável 
11 de agosto. 

9 de ago de 2015

Hoje 09 de agosto de 1989.
O telefone tocou..
Naquela noite fria de agosto.

Minha avó, se foi..
Saudades da tua essência tão pura.
Saudades do seu abraço forte.

S
A
U
D
A
D
E
S

Do afago nas horas tristes.
Do sabor gostoso do doce de leite, feito com amor.
Da macarronada de domingo.
Do cheiro de casa limpa.
Do pé de jabuticaba.

E de você em especial, vó!
Foto: Vó, Eu e meu primo.

Deixo a sua música favorita:  Nenhum de Nós - Camila, Camila

7 de ago de 2015

Sufocada


Ao som de:

Tori Amos - Jackie´s Strength


Em fevereiro de 2004 escrevi diversos poemas que postarei no decorrer da semana..

Sufocada

'Sufocada'

Beijos Sufocados
Gritos Sufocados

Deito-me só e triste
Quero sonhar e dormir

Sonhos Enlouquecidos
Suspiros Enlouquecidos

Vejo meu coração..

Soluçando de dor
Soluçando de ilusão

Nesse instante, fico muda para o mundo.