19 de set de 2015

Em julho de 2003 escrevi esse poema:

Quarto Ensanguentado

Vejo sangue em meu corpo
Vejo sangue nas paredes do meu quarto
Vejo escrito meu nome nas paredes com meu próprio sangue
Vejo as estrelas pintadas de vermelho
Vejo o teto jorrando sangue em mim
Vejo minha cama puro sangue

Sangue delicioso
Sangue fresco
Sangue deprimente
Sangue suicida

Vejo Girassóis ensanguentados
Vejo que preciso de Girassóis

Girassóis suicidas
Girassóis deprimentes
Girassóis frescos
Girassóis deliciosos

Vejo-me sentada num canto do quarto
Vejo as pessoas em volta de mim
Vejo que elas falam e ao mesmo tempo choram
Por favor, façam com que essas pessoas saiam do meu quarto?
Só por uma noite!
Apenas uma noite!
Não quero ver!
Não quero sentir!
Apenas, chorar ensanguentada..

[Lust - Tori Amos]

16 de set de 2015


O poema de hoje é sobre cutting ou automutilação no corpo (20/07/2003)

Definição: comportamento intencional envolvendo agressão direta ao próprio corpo sem intenção consciente de suicídio. Os atos geralmente tem como intenção o alívio de dores emocionais e em grande parte dos casos, estão associados ao Transtorno de Personalidade Bordeline. As formas mais frequentes de automutilação são cortar a própria pele, bater em si mesmo, arranhar-se ou queimar-se. A automutilação é comum entre os jovens e adolescentes que sofrem pressão psicológica. 

"Cortes + Cortes e + Cortes Baby"

Baby desculpe os momentos tristes.

Baby desculpe os momentos felizes.

Baby desculpe o meu carinho por você.

Baby desculpe o meu amor por você.

Baby desculpe se machuquei você.

Baby desculpe por gostar de você.

Baby desculpe por amar você.

Baby desculpe se fui precipitada demais, dizendo alguma coisa que não tenha gostado.

Baby desculpe pelos cortes + cortes e + cortes baby.

Quando escrevi este poema estava ouvindo Tori Amos - Siren



Fer... Domingo, 20/07/03 Curtindo Tori Amos - Siren 

14 de set de 2015

Um poema bem diferente dos demais, 2002:

Canibalismo

Desejo resguardá-lo em meu colo.
 
Desejo ser livre em seu colo.
 
Desejo-te em meu colo.
 
Desejo doces em seu colo.
 
Desejo ser uma Dama.
 
Desejo que seja o meu Lord.
 
Desejo devorar a sua língua: vibrando sons roucos e socorros.
 
Desejo devorar suas pernas e seus cabelos.
 
Desejo devorá-lo inteiro. Mas, só deixaria a língua vibrando. Me chamando, para devorá-lo novamente.
 
Um índio ocupa o trono da tela “O inferno”, autoria desconhecida.
[Um índio ocupa o trono da tela “O inferno”, autoria desconhecida.]

10 de set de 2015

Um poema de 2014: 

Stasia Burrington

Vida

Não estou preparada para que me deixes só.

Não se afaste de mim.

Você me cura, me conforta e me faz viver.

Quando estou ao seu lado esqueço-me de todos os problemas.

De alguma forma sinto que você:

Me entende.
Me completa.
Me ajuda.

Além de despertar sentimentos inacreditavelmente ternos em mim..

3 de set de 2015

Uma paixão: Girassóis

Em 98, no primeiro ano de faculdade em moda encantei-me por esses discos florais amarelos ao assistir uma palestra com o artista plástico Jocelino Soares.

Jocelino Soares

De lá para cá: plantei, ganhei, comprei, escrevi e tatuei girassóis. É amor e sempre será!!

Girassóis

Qual a sua paixão?