8 de dez de 2015

TAG + Música

Recebi esta TAG do Beto: blog Coisas Triviais 

Ah, demorei um pouco para responder.. mas, let´s go!

TAG: 8 Coisas

8 coisas para fazer antes de morrer

- estar ao lado de pessoas que eu amo: namorado e minha família.
- fazer um piquenique para o amor.
- fazer amigos.
- não se preocupar com regime.
- comer bobeiras.
- trabalhar com moda, tenho esperanças ainda..
- escrever mais..
- aprender e ensinar.

8 coisas que amo

- meu namorado.
- minha família.
- escrever.
- ouvir músicas.
- viajar.
- cachorros.
- assistir filmes.
- assistir séries.

8 coisas que eu falo

- aff..
- liga o vento e/ou desliga o vento.
- sei lá.
- bora?
- ahh..
- aham.
- urrum.
- tá.


8 roupas

- saia
- t-shirt
- vestido
- calça jeans
- casaco
- sapatilha
- tênis
- lenços

8 coisas / objetos que não vivo sem

- celular
- carregador
- computador
- música
- arte
- livros
- revistas
- canetas

Convido todos que seguem o blog a responder esta TAG. Me avise quando responderem ok?

Estava ouvindo esta música para responder a TAG. Espero que gostem.. ^^


19 de nov de 2015

O que você quer ser quando crescer?

Escrevi este pequeno texto sobre ser feliz e não perfeito. 

Sobre ser a minha melhor companhia. 

Sobre ser Eu. 

Eu de verdade.

Sou quem chora e ri sozinha. 

Sou quem passa horas na loja provando uma ou outra peça de roupa - e muitas vezes não levo. 

Sou quem canta rock indie no trabalho. 

Sou quem dá risada e zoa os amigos. 

Sou quem passa batido por um conhecido nas ruas.
  
Sou aquela criança, que adorava desenhar vestidos de princesas e substituía as brincadeiras de rua por tecidos e uma tesoura. E minha imaginação vivia dentre os recortes de revista em moda daquela época.

E quando me perguntavam o que queria ser quando crescer, não hesitava e logo respondia: Estilista!

Na adolescência, o meu maior desejo era não crescer

E quando me tornei adulta, percebi que a resposta sempre esteve comigo. 

O que você quer ser quando crescer? 

Sem hesitar, respondia: Eu.
 
Viva La Vida
 
 E você, o que quer ser quando crescer?

2 de nov de 2015

Suicide Room ou


Sala Samobójców em português O Quarto do Suicídio, um filme polonês de drama e dirigido por Jan Komasa. O filme ganhou diversos prêmios, incluindo melhor ator, melhor atriz, melhor roteiro e melhor filme.

Dominik Santorski, um garoto sensível, bonito, popular e inteligente. Filho de pais ricos e bem sucedidos. Sua vida muda quando na festa de formatura, duas amigas se beijam e o desafiam a fazer o mesmo com seu melhor amigo Aleksander. O vídeo é postado em uma rede social, e os amigos de Dominik ficam provocando por causa do beijo nos dias seguintes. Ele entra na brincadeira, retornando ao falso olhar de saudade de Aleksander. Mais tarde, na aula de judô, Dominik e Aleksander estão disputando, e Dominik fica preso em baixo do amigo. Depois do esforço que se segue, Dominik se excita ao ponto de ejacular. Esse evento é retransmitido na rede social o que enfurece Dominik.

Suicide Room

Este é o estopim para que o bullying comece na escola. Aleksander comenta o acontecido na rede social e todos começam a zoar Dominik. 

Suicide Room
Com vergonha de ir a escola, ele acaba conhecendo na internet uma garota com tendências suicidas que se corta e usa uma máscara no Sala Samobójców. Lá, os membros do grupo assistem a filmes de pessoas se matando. Sylwia e Dominik criam um laço, e ele começa a faltar na escola para passar mais tempo com ela.
Suicide Room
Dominik pode ter tudo, mas ele não possui pais presentes. A mãe trabalha praticamente o dia inteiro fora, o pai trabalha para o Ministro e também não tem muito tempo para se dedicar ao filho. 

Dominik descobre que Sylwia não sai de seu quarto há 3 anos. Ele passa 10 dias trancado em seu quarto conversando com ela e se recusa a comer. Esses eventos passam despercebidos por seus pais, que por vezes passam dias fora de casa a negócios, e se envolvem em relações sexuais extraconjugais. Por fim, a governanta chama a polícia, que arromba a porta do quarto de Dominik e o encontra sentado numa poça de seu próprio sangue ao lado de um espelho quebrado.
Suicide Room
Quando Dominik volta para casa e retorna ao Sala Samobójców, ele ouve o grupo discutindo seus planos de suicídio, mas eles se recusam a discutí-los perto dele. Ao ouvir que seus pais estão tentando fazê-lo falar com um psiquiatra, Sylwia se abre com ele. Ela conta para Dominik uma história de amor que acaba com os amantes se matando com pílulas e álcool. Depois de dizer que é assim que ela quer morrer, ela implora que ele consiga pílulas com o médico para dar a ela.

Algumas vezes (ou a maioria delas) você vai achar a depressão de Dominink exagerada, mas é porque muitos de nós desconhecemos como é ter uma depressão profunda. Dominik às vezes age como um verdadeiro lunático. Ele grita, chora e esbraveja o que pode parecer um tanto infantil, mas essa é uma realidade que o filme tenta abordar. É fácil para nós criticarmos algumas pessoas sem saber o que elas sentem, por isso o filme mostra um lado do bullying que está longe do nosso cotidiano.

Suicide Room

Já tive depressão e sei completamente o que Dominik sentia..
Com a ordem do psiquiatra, os pais de Dominik o escrevem uma carta. Ele a lê para Sylwia, que a acha hilária, antes de rasgá-la. 

Enquanto Dominik e Sylwia discutem aonde se encontrarão para trocarem as pílulas, o pai de Dominik arranca o roteador antes de seus planos estarem definidos. Dominik entra em pânico, pulando da ameaça de matar os pais, para a imploração que sua mãe o ajude. Ela tenta ligar os fios novamente, mas é impedida pelo marido. Dominik explode em seu quarto, e tem um colapso. Depois, ele explica para seus pais o que é o Sala Samobójców. Ele diz que os membros são como uma família, e seus pais o proíbem de voltar, nem mesmo para explicar que ele não poderá mais retornar.

Ainda querendo falar com Sylwia, Dominik leva as pílulas para o bar que eles haviam discutido. O bartender o força a pedir alguma coisa, o que o leva a beber uma cerveja grande. Ele vai até o banheiro e decide despejar as pílulas. Depois de jogar alguns punhados na privada, ele toma uma das pílulas seguidas por mais dois punhados. Dominik encontra um casal se beijando e começa a filmá-los. Eles pegam a câmera dele e filmam seu delírio. Ele zomba de seu pai e de si mesmo, rindo de sua própria imitação de embriagado. Quando volta ao bar, Dominik vê Sylwia esperando por ele. Eles vão para o meio da pista de dança e se beijam apaixonadamente. Pela primeira vez no filme, ele está feliz.
Suicide Room
Mais tarde no Sala Samobójców, Sylwia está falando com seus seguidores e discutindo sobre a longa ausência de Dominik no grupo. Eles veem o avatar de Dominik se aproximar e descobrem que é sua mãe que está usando sua conta. Ela os agradece por estarem lá e apoiarem seu filho, e anuncia que ele está morto (o encontro no bar é provavelmente uma alucinação). 

Suicide Room

Suicide Room
Sylwia arranca o fio da internet da parede e tropeça através de seu quarto, derrubando pilhas de lixo. Ela abre a porta e sai de lá pela primeira vez em três anos, berrando e gritando no gramado à frente.

Suicide Room

Suicide Room

O filme acaba com os pais de Dominik no balé, apesar de divorciados, e sentando em lugares diferentes. As cenas do casal bêbado que ele filmou são intercaladas com o balé. É revelado que, ao invés de ter retornado ao bar, Dominik estava gritando por seus pais no banheiro enquanto morria de overdose. Ele coloca os dedos na garganta numa tentativa de vomitar as pílulas, mas já é tarde demais. O vídeo acaba no mural do Sala Samobójców.

22 de out de 2015

Alice Twins tem um lado sombrio, complexo e angustiante que poucos conseguem enxergar. Para alguns, ele é grande e assombroso, para outros, pequeno e facilmente administrável. 


Não é uma tarefa rápida e fácil, temos que aceitar e examinar cada detalhe, cada razão, cada efeito.


O medo obsessivo do passado com um familiar, impedia que se relacionasse com outras pessoas do mundo e do amor. O que rendia um tanto de frustrações, tristezas e de remendos.


Para alguns especialistas garantia um efeito terapêutico e nesses tempos era considerável um conhecimento da natureza. Aos poucos conseguia se libertar dos excessos sombrio.


Buscando sempre o autodescobrimento: união do corpo e mente, verdade, pureza, amor, lealdade, sacrifício e a paciência.



Suspenderia as fantasias do amanhã.. 

Começaria a viver aproveitando o agora e suportando as surpresas e decepções da vida.

www.alicetwins.blogspot.com.br

21 de out de 2015


Sarah Jaffe - Better than Nothing

Um poema de julho de 2003:

'Eu'

Eu aqui

Inconsciente
Enlouquecida
Apenas triste

Ele lá
Amanhecido
Alegre
Apenas vivo

Eu aqui
Sofrendo
Depressiva
Apenas morta. 

13 de out de 2015

Estou adorando ler o livro "A Invenção de Hugo Cabret" de Brian Selznick.

É um livro criativo, com páginas pretas e as ilustrações parecem estar em movimento, criando uma sequência de cenas.

Hugo Cabret descreve na página 94:

                            Logo chegaram a um decrépito edifício do outro lado do cemitério. 
                                O prédio inteiro parecia inclinar-se ligeiramente para um lado. As     
                                paredes já tinham sido cobertas de hera, mas trepadeira fora               
                                arrancada, deixando longas cicatrizes entrelaçadas na pintura esfacelada.

Me lembrei de heras neste trecho, em 2007 estava olhando algumas heras para colocar como decoração dentro da igreja. E naquela época, conversava somente sobre heras e decoração. 

Nesta hora me lembrei deste acontecido em minha vida. Uma lembrança de uma época que tivesse simplesmente esquecido. Nessas horas nos damos conta do tempo que passou.

[Respiro..] 

Hoje olho de perto e vejo que não estou sozinha nesta vida, dou valor aos meus sentimentos e emoções. Sempre seguindo em frente com todo o meu amor..

 Não perco o entusiasmo em viver, em acordar cedo, em saborear um doce e em fazer outras pessoas felizes..